Opúsculo de um Vencido

sábado, 7 de agosto de 2010

Lirismo Condenado

Quero foder teu rabo, ferozmente,
Como o elegante potro em seu cio,
E, em teu corpo impudico e tão macio
Jorrar meu flébil gozo, eloqüente.

E ao sentires tal caralho quente,
Lá fustigando o teu porão sombrio,
Afagarás meu ombro ao desvario
De um gemido rouco e pungente...

E quando a outro homem ofertares,
O mesmo egrégio leito onde deitei,
Ventura, tu terás, bem aos milhares

Mas eu mais do que este serei Rei,
Ao vê-la enfadada e sem teus pares,
Banhar de pranto os lábios que beijei!...

(Queiroz Filho)

Nenhum comentário:

Postar um comentário