Opúsculo de um Vencido

sábado, 7 de agosto de 2010

Soneto Tergiversado

Nenhuma vida é isenta de percalços;
Nem sempre os anos são laboriosos;
Nem todos os amigos são bondosos
Nem todos os amores serão falsos;

Nenhum lábio terá só beijos salsos;
Nem só os infelizes são queixosos;
Os erros nunca são só desastrosos;
É livre arbítrio ir de pés descalços

Pela longa estrada onde há cardos,
Porém, a dor suportes de teus fardos,
Não ates a burrice à imprudência.

Preserves do silêncio, a integridade,
Que um dia ostentarás da Liberdade
O gozo mais sublime: -A consciência!

(Queiroz Filho)

Nenhum comentário:

Postar um comentário