Opúsculo de um Vencido

terça-feira, 29 de março de 2011

Laura

Não sei amar, ó Laura, tuas prendas
Como queres que eu, assim, as ame,
Amor, me não bradou um só reclame,
Nem fez surgir ao peito suas fendas...

E dantes que de mim te arrependas
Privar-te-ei de tais ânsias infames,
Pedindo que a mim tu não derrames
Este teu Casto pranto, só entendas

Que há muito tenho a voz esvaecida
De indagar se o Amor é um Paraíso
Ou o mais macabro Inferno dessa vida!...

E ora a lembrar o alvor de teu sorriso,
Prenunciando o Adeus da despedida,
Na Luz da minha Alma, te eternizo!...

( Queiroz Filho )

Nenhum comentário:

Postar um comentário