Opúsculo de um Vencido

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Os Dias

Os dias já se arrastam enfadonhos
Enquanto esta Alma louca canta e ri,
Por quê? - Já nem eu sei; talvez aos sonhos;
Talvez ao nosso Amor; talvez pra ti!

Talvez seja aos teus olhos medonhos,
Que inquietos como um bruto Javali,
Fizeram os meus dias mais tristonhos...
Esqueças... Mil perdões, já aprendi!...

Ó, Ao menos por tributo ao Passado
E ao Verbo que em tua boca é pecado
Concedes-me um beijo e nada mais?!

Não vês?... Sou tua Bela Adormecida!
E um beijo teu é a Oração da vida
Aos meus dias de Amor, Ternura e Paz!...

(Laura Alves Coimbra)

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

A Tua Culpa

Ó,vadio Sonhador das madrugadas!
Ó, errante trovador dos dissabores,
Vilão das minhas vãs horas aladas,
O que fizeste tu com teus amores?...

Despetalaste as suas frágeis flores
Lançando-as ao léu já desprezadas?
E agora geme estulto as cruas dores
Que em tua culpa foram reveladas...

Tu nem disseste a Eles o teu nome,
Mas eu bem te conheço, és meu irmão!
E sinto esta angústia que o consome...

Quiçá Deus te conceda tal perdão,
Pois condenado foste à eterna fome...
- A culpa não foi tua, Coração!...

(Laura Alves Coimbra)