Opúsculo de um Vencido

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Pesar

No turbilhão da vida merencória
Trouxeste na euforia decrescente,
A mais particular e íntima estória
De abdicados sonhos, fatalmente,

Lançados no abismo da memória:
Paixões assassinadas lentamente
Pela vaidade esdrúxula e ilusória
De reviver o velho amor ausente.

Entrelaçando vidas tão opostas
Num círculo de mágoas e rancores,
Até que tombem todas as apostas

E, enfim, na solidão e sem amores,
Vejas que até o amor te deu as costas
E agora só o pesar rega tuas flores...

( Queiroz Fiho )

Um comentário:

  1. Eh, lá se vão os amores, as flores até que as cortem!!

    Bom demais este seu tom fúnebre. Quem foi que disse que a poesia NÃO tem de ser triste??

    ResponderExcluir