Opúsculo de um Vencido

quinta-feira, 2 de maio de 2013

Formosa

Como és formosa, ó, amada minha
Qual o roxo lírio eis que és formosa,
Teus olhos são as pombas que asinha
Lá ao Céu elevam a Alma jubilosa

Deste almo pastor que se encaminha
Às colinas da espádua mais viçosa,
Aonde jaz em fio a mansa cabritinha
Do rebanho de tua madeixa mimosa...

Que de Sião, ante o gigante Gileade,
De haver, não poderá, fronte mais bela,
Tão ornada de Ternura e Bondade...

Ó, minha amada amiga e doce gazela,
Do régio Amor, me tiraste a Liberdade
E do ciúme, em par, deste-me a cela!...

Queiroz Filho

Nenhum comentário:

Postar um comentário