Opúsculo de um Vencido

quinta-feira, 30 de maio de 2013

Prece

Omnipotente Astro majestoso!
Silencioso Espírito de Deus;
Terror particular de nossos breus:
Essência do que é belo e poderoso:

Divina chama; Mãe dos apogeus:
Santifiques, ó Rei, nossos suores,
Moldes com tua Luz dias melhores,
Reveles o mistério desse Adeus

Que o corpo dá à Alma, erroneamente!...
Que, Deus, se a Saudade, nos consente,
Não nos consente ver, da alma, Além...

Aqueças nossas lágrimas geladas,
Proteja-nos das Noites assombradas,
Proteja-nos, enfim, de nós também!...

(Queiroz Filho)

3 comentários:

  1. Descambas tu por entre abismos, meu amigo. Deixe a masmorra e morra logo d'uma vez! A morte é o reencontro contigo mesmo. O filho, que é pai do homem, te receberá de braços abertos. Esse menino, teu pai, te dirás umas palavras enquanto te abraças - palavras que são tuas, somente tuas. E (da terra) à terra tu voltarás para mais uma vez tentar domar a si mesmo, pois só obtendo sucesso nessa empreitada que tu se tornará deus!!

    Fala amigo Poeta! Teus poemas fizeram falta, hein.

    ResponderExcluir
  2. Saudades, Cara! Poxa! Me passa algum email seu para podermos papear sobre literatura! Valeu pelo comentário.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não precisa agradecer, meu caro. Você escreve bem e ponto. Quanto ao e-mail, bem, acho que você já tem um meu, mas anota aí o que eu mais uso: brunooliveira.rodrigues@gmail.com. O Bruno Arruda também quer participar desses bate-papos, então, bora marcar um encontro desse tipo regado a boa birita?? Abraço!! E até breve, amigo Poeta.

      Excluir