Opúsculo de um Vencido

domingo, 15 de setembro de 2013

Janela

Havia uma janela em meu quarto
De humanas paisagens triunfais!
Mas hoje uma janela não é mais:
Imagem natimorta e sem parto...

Prosaico muro içado à frente dela,
Cobriu-a com silêncios sem reboco...
Oh, ditatório e estático Sentinela!...
Tu queres me vetar, deixar-me louco?

Abaixo este resquício de Berlim!...
Do que me vale ter olhos sadios,
Se não terei uma luz após meu fim?

Esta parede causa-me arrepios!
Não vou hoje sair... Não estou afim,
Vou assombrar os vivos com meus tios!...

( Queiroz Filho )

4 comentários:

  1. Hahaha...excelente, o paradoxo do poeta sem janela!

    Mel

    ResponderExcluir
  2. Poeta sem janela é dose! Mas, meu amigo, não perca a chance de metamorfose. A Poesia está nas coisas, até nessas coisas todas que temos dentro de casa. Que tal ir mais pra dentro? Faça a experiência, aceite mais essa empreitada. Aposto que quando menos perceberes, a parede de frente terá sido demolida, ou melhor, tu verás nitidamente o que existe infinitamente além dela.

    ResponderExcluir
  3. Muito bom conselho, Oliveira! Preciso me achar dentro de mim! Valeu!

    ResponderExcluir