Opúsculo de um Vencido

quarta-feira, 12 de março de 2014

Ao Mestre com pavor

Augusta Alma triste e atormentada,
De hediondos sonhos humanistas...
Que Deus foi que turvou as tuas vistas?
Existe algum sentido para o nada?...

Ó meu apodrecido mestre exato!
Agora não és mais que carne morta,
Mas o que desde lado me conforta,
É que rompeste o arcano abstrato,

Roubando os tesouros do infinito...
Beijo teus ossos, mestre, em teus versos,
E na cósmica Angústia de teu grito

Vagueiam meus ouvidos, submersos.
Teu pergaminho tétrico é um Maldito
Apocalíptico uivo aos Universos...


( Queiroz Filho )

Nenhum comentário:

Postar um comentário