Opúsculo de um Vencido

sexta-feira, 14 de março de 2014

Rejeição

Respira a noite a Alma do mistério...
O vento frio galopa sobre as praças,
O céu escuro é um manto de desgraças
Ao filho que se arrasta ao cemitério

A ajoelhar-se diante de um túmulo
De murchas rosas rubras, adornado,
Seu coração é um prisma espedaçado
De rancorosas cores em acúmulo...

É o corpo de seu pai que lá estava.
O pai que não lhe dera um só carinho;
O pai que entre os irmãs, o rejeitava!

O pai que o alcunhava: Pobrezinho!...
Enquanto o filho, à cova, o relembrava:
Perdão, meu pai, se te amei sozinho!...

(Queiroz Filho)

Nenhum comentário:

Postar um comentário