Opúsculo de um Vencido

quinta-feira, 24 de abril de 2014

Sozinha

A vida vai passando e eu estou só,
Mas sempre estive só a vida inteira!
Sepulto tantos sonhos - Sou coveira
De uma esperança reduzida a pó...

Confesso ser sozinha e desgraçada.
Nenhum homem na vida me amou.
Talvez em dar-me alma, Deus errou,
Pois dessa vida eu nunca tive nada...

Meus sonhos, um a um, assassinei!
Num acesso inconsciente de loucura.
Ah, quantas vezes já me derrotei!...

E quantas outras cri nessa postura
De lírico Poeta a quem entreguei
O amor que levarei pra sepultura!

( Laura Alves Coimbra)

Nenhum comentário:

Postar um comentário